FPC RICHMOND CALIFORNIA

Primeira Igreja Presbiteriana de Richmond,

Uma Família, Muitas Faces!

ESTUDO DO EVANGELHO DE JOÃO

CAPÍTULO 20

Tema: A ressurreição de Cristo

Esse capítulo relata os três encontros de Jesus com os discípulos depois da ressurreição.

Esses encontros tiveram resultados diferentes.

 

 I. Maria viu o Senhor - 20:1-8

          Maria tinha um amor muito especial por Cristo. Há algumas razões muito fortes para isso. Primeiro, Cristo expulsou sete demônios de Maria (Lc. 8:2). Segundo, como qualquer ser humano que tem amigo chegado, Jesus também tinha, e ele era amigo da família de Maria. Terceiro, ela o amava acima de tudo como Filho de Deus, o Messias salvador do mundo. Maria pensou que alguém teria roubado o corpo de Jesus e correu para avisar Pedro e João. Então eles foram apressados visitar o túmulo.

          Chegando ao túmulo viram os lençóis, mas o corpo não estava mais alí. Os lençóis foram deixados cuidadosamente nos seus lugares e não como um ladrão os deixaria. Jesus simplesmente passou pelos lençóis; ele também passou pela pedra que fechava o Seu túmulo. Eles creram que ele tinha ressuscitado por causa das provas do túmulo (Verso 8). Mais tarde, quando Jesus apareceu, outros creram. Em qualquer evento espiritual há três provas que podemos confiar: (1) As provas que indicam o caminho da fé; (2) A Palavra de Deus; e (3) A experiência pessoal.

          Maria esperou perto do túmulo e encontrou-se com Jesus. Muitas vezes nós devemos esperar para receber uma benção de Deus (Isaías. 40:31). Maria viu dois anjos dentro do túmulo mas achou que eram dois homens que roubaram o corpo de Jesus. Ela estava chorando e nem percebeu que era Jesus quando ele falou com ela. Jesus a chamou pelo nome e ela finalmente percebeu que era Jesus. No capítulo 10, versos 3-4, diz que o Bom Pastor chama as suas ovelhas pelo nome e elas reconhecem a sua voz. Depois de se encontrar pessoalmente com Jesus, Maria saiu com alegria para espalhar a notícia.

 

II. Os discípulos verão o Senhor - 20:19-25

          Já encontramos duas vezes a palavra “o primeiro dia da semana” (20:1,19). É o domingo e não o sábado. O sábado dos judeus era o sétimo dia, e era a figura de descanso do trabalho - LEGALISMO. Domingo é o dia do Senhor, o primeiro dia da semana, e é a figura de vida e descanso antes de trabalho - GRAÇA. Cristo passou pelas portas fechadas e trouxe paz aos homens medrosos.  

          Quando Jesus assoprou sobre eles, deu-lhes poder como o Pai deu vida e poder em Gên. 2:7 – “Então o Senhor Deus formou o homem[c] do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente. Deus assoprou sua palavra sobre os escritores e as suas palavras tornaram-se a Palavra de Deus, inspirada por ele (II Tim. 3:16 - Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 17 para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra).

          Jesus fez descer sobre eles o Espírito Santo no dia de Pentecostes para ajudar no trabalho da igreja. Foi dado poder aos discípulos nos versos 22-23 “E com isso, soprou sobre eles e disse: “Recebam o Espírito Santo. 23 Se perdoarem os pecados de alguém, estarão perdoados; se não os perdoarem, não estarão perdoados”.” Esse é o poder que nos capacita para a pregação do evangelho que dá a todos os homens a oportunidade de salvação.

          Realmente não temos exemplo no Novo Testamento de um apóstolo que perdoou pecado. Pedro (Atos 10:43) e Paulo (Atos 13:38) mostraram Jesus aos homens. Os discípulos daquela época tiveram privilégios especiais, principalmente nos primeiros capítulos de Atos, mas nós não temos estes mesmos privilégios hoje em dia.

 

III. Tomé viu o Senhor - 20:26-31

          Tomé não estava presente na reunião quando Jesus apresentou-se aos discípulos. Perdemos muitas bênçãos quando faltamos aos cultos. Tomé disse, “Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos e não meter o dedo no lugar dos cravos, e não meter a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei.” Há muitos no mundo de hoje, cuja atitude é igual à de de Tomé.

          Na próxima reunião, no domingo, Jesus apareceu a todos os discípulos, incluindo Tomé. Jesus mostrou sua misericórdia e amor e Tomé esqueceu completamente de exigir as provas. O testemunho dele merece nossa atenção: “Senhor meu, e Deu meu.” Jesus disse que nós somos bem-aventurados hoje em dia porque cremos sem ver.

          Agora note as três aparências de Jesus e os seus resultados. Jesus mostrou seu AMOR a Maria por escolher cuidar do corpo de Jesus. Os discípulos estavam reunidos, sem esperança e com muito temor. Mas Jesus restaurou-lhes a ESPERANÇA. Jesus fortificou a FÉ de Tomé, quando provou para ele a sua ressurreição.

          Aqui vemos as três coisas mais importantes na vida do crente - fé, esperança, amor. Porque Jesus vive, a nossa fé está segura; Paulo diz em I Cor. 15:17 que “se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé, e ainda estamos vivendo em nossos pecados.” Porque Cristo ressuscitou dos mortos, nós temos uma esperança viva, como diz o Apóstolo em  I Pedro 1:3 que “... Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos. E I Pedro 1:8 diz, “Ao qual, não havendo visto, amais.”

          João fala do propósito do seu evangelho nos versos 30 e 31, ou seja que sua iniciativa de narrar os acontecimentos do Ministério de Jesus é “para que creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo tenham vida em seu nome.

          Nesse evangelho encontramos muitas pessoas incrédulas que receberam vida eterna em Jesus: (1) Natanael 1:50, (2) os discípulos 2:11, (3) os samaritanos 4:39, (4) o filho do oficial do rei 4:50, (5) o cego 9:38, (6) Marta 11:27, (7) Os judeus que viram Lázaro ressuscitar 12:11 e (8) Tomé 20:28. Todos testemunharam da mesma forma, “Eu creio” que Cristo é o Messias, o Filho de Deus. E você qual é o seu testemunho.

 

Debate: Perguntas básicas

I - Como você reagiria se um amigo lhe dissesse que viu alguém ressuscitar?

II - Por que é importante para você o fato que Jesus ressuscitou? Você creria nele se ele ainda estivesse morto, e pudéssemos visitar seu túmulo?

 

Há pelo menos três evidências da ressurreição de Jesus:

I - O Sepulcro vazio

a) O testemunho de mulheres registrado

Se você quisesse forjar a veracidade de um fato, naquela época, a última prova que daria seria o testemunho de mulheres, pois elas não tinham crédito algum naquela sociedade.

b) Judeus nunca contestaram o túmulo vazio, pelo contrário subornaram os guardas para que mentissem sobre o sumiço do corpo (Mt. 28:11-15).

II - As aparições de Jesus

a) Paulo apresenta uma lista (1 Co 15): a Pedro, aos doze, a 500 irmãos, a Tiago e a Saulo de Tarso.

b) As aparições são físicas e corpóreas, Jesus comeu com seus discípulos.

III - O Início da convicção dos discípulos

a) É difícil acreditar que os discípulos se dispusessem a morrer por algo que não acontecera.

b) Pedro e João são presos diversas vezes.

c) Estevão é um caso extremo de morte violenta (At.7)

CONSIDERE:

a) Por que é tão importante provar que o túmulo estava vazio?

b) Por que Maria Madalena não reconhece Jesus de imediato? Depois que ela o reconhece, o que o impressiona em relação ao encontro deles?

c) Como a atitude de Tomé acrescenta credibilidade à ressurreição? E como a exclamação dele: “Senhor meu e Deus meu!” fornece o ponto culminante do evangelho de João?

d) O que esse encontro nos ensina a respeito de ajudar pessoas que têm dúvidas sobre a mensagem cristã?

e) Em que evidência você baseia sua crença de que Jesus ressuscitou?

f) Crer que Jesus ressuscitou é tão importante quanto crer que ele morreu na cruz por nossos pecados? Explique.

g) João diz nos versos 30 e 31 por quê escreveu seu evangelho. De todos os milagres que João incluiu no seu evangelho, quais são os mais convicentes para você e por quê?

Louve a Jesus como seu Salvador ressurreto. Use as palavras de Tomé: “Senhor meu e Deus meu”, ao se dirigir a Jesus.